Brasil vive grave crise democrática, diz ONG alemã

O Brasil entre os países onde a atuação da sociedade civil e o exercício das liberdades individuais – como os direitos de se manifestar ou de expressar sua opinião – é apenas “limitado”, em indicador divulgado nessa quarta-feira, 31, pela ONG Brot für die Welt, ligada à Igreja Evangélica da Alemanha (EKD).

O Atlas das Sociedades Civis, cuja escala tem cinco níveis e vai de “livre” a “fechado”, destaca que, “desde o controverso processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em agosto de 2016, esse país do G20, a nona maior economia do mundo, vive uma grave crise democrática”.

Segundo o relatório, “a participação ativa na política, por meio de movimentos sociais, dá cada vez mais lugar à criminalização de ativistas. O clima político é cada vez mais determinado por um conservadorismo religioso” que desrespeita os direitos de mulheres e homossexuais, “elevando as tensões e as diferenças sociais”.

Em protestos contra o governo, a violência aumenta cada vez mais, afirma o relatório. “Unidades especiais agem com gás lacrimogêneo, granadas de luz e som, balas de borracha e, em parte, munição letal contra os manifestantes”, o que, segundo o relatório, frequentemente resulta em pessoas feridas e até mesmo mortes.

O Brasil aparece no índice ao lado de outros 52 países onde a livre expressão das liberdades individuais é “limitada pelos governantes por meio de uma combinação de limitações legais e práticas”. Outros países da lista são Índia, Indonésia, Moçambique, Haiti e Israel.

Seis países foram analisados em detalhes: além do Brasil, são eles Quênia, Chade, Honduras, Filipinas e Azerbaijão. “Todos têm em comum que as sociedades civis são cada vez mais reprimidas”, afirmou Duchrow. Ela citou como exemplos o uso desproporcional de violência policial contra manifestantes e a promulgação de leis que restringem a influência da sociedade civil.

As informações são da Deutsche Welle Brasil. (247)

Deixe seu comentário