Clarín chileno: EUA manejam Lava Jato para destruir Brasil e América Latina

A influência do governo americano sobre o poder judiciário da América Latina vai ficando cada vez mais evidente. O DOJ (Departamento de Justiça americano) opera abertamente para formar e ‘capacitar’ promotores brasileiros. A divisão de fraudes do DOJ trabalha diretamente com a Lava Jato e chega a parabenizar ações de procuradores brasileiros, numa clara interferência de soberania.

“Num discurso feito em julho deste ano, no qual felicitava a si mesmo, o subprocurador geral estadunidense Kenneth A. Blanco, que dirigia a Divisão Penal do Departamento de Justiça (porque logo o Secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, o escolheu para encabeçar a Direção de Investigação sobre Delitos Financeiros), se referiu ao veredito condenatório ditado contra o ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, como o principal exemplo dos “resultados extraordinários” alcançados graças à colaboração do Departamento de Justiça (DOJ, por sua sigla em inglês) com os promotores brasileiros na operação “anti corrupção” chamada Lava Jato.

A unidade da Divisão Penal do DOJ que colabora com a Lava Jato é a Seção de Fraudes. De novembro de 2014 até junho de 2017, quem dirigia a Seção de Fraudes do DOJ era ninguém menos que Andrew Weissman. Ao deixar essa função, ele foi transferido e passou a formar parte do grupo de choque contra Trump encabeçado pelo Procurador Especial do FBI, Robert Mueller. Weissman tem sido, há muito tempo, o principal assessor de Mueller, e seu histórico de conduta indevida lhe valeu o apelido de ‘pitbull judicial de Mueller’.”

Leia mais aqui.  (247)

Deixe seu comentário