Depreciação do real joga pá de cal na ‘recuperação’ dos golpistas; 2018 morreu

Em um artigo publicado no jornal Valor Econômico, Gilberto Borça Jr., mestre em economia pela IE-UFRJ, e Letícia Magalhães, mestre em economia pela FGV-EPGE, destacam que apesar da lenta recuperação a retomada da economia esperada para 2018 ainda não aconteceu. Segundo eles, os níveis de incerteza sobre os rumos da economia estão acima da média histórica e a incerteza sobre as eleições possuem um peso significativo acerca da retomada do crescimento.

“Em segundo lugar, mesmo com a forte queda da taxa básica de juros, que está em seus níveis mínimos históricos e assim deve permanecer por algum tempo, observa-se que as taxas de juros para prazos mais longos continuam elevadas”, destacam. Um outro ponto citado por eles é “a continuidade da fragilidade fiscal no médio/longo prazo e a questão eleitoral são, aparentemente, as causas do “prêmio” embutido na curva de juros. Os juros longos são, em teoria, aqueles relevantes para as decisões de consumo e investimento”.
“Em terceiro lugar está o mercado de crédito, onde tem se verificado uma lenta redução das taxas de juros ao tomador final devido ao comportamento dos spreads bancários”. “Embora o BC tenha publicado em seu último Relatório Trimestral de Inflação que a queda dos juros bancários e a recuperação das concessões de crédito estejam em linha com os últimos ciclos de queda da Selic, a percepção geral é de que tal redução acontece a uma velocidade aquém da adequada”, avaliam os economistas.

“Em quarto lugar está o desempenho de um setor muito importante, mas que está bastante atrasado no processo de recuperação, o da Construção”, que representa 50% do investimento na economia e que foi fortemente afetado pela Lava Jato, que afetou as grandes construtoras e empreiteiras do setor.

Associado a isso está o processo de desalavancagem das empresas e a disparada da taxa de câmbio, que “sofreu uma depreciação rápida, saindo do patamar de R$/US$ 3,20 para valores superiores a R$/US$ 3,50. O comportamento da taxa de câmbio joga, de forma quase definitiva, uma pá de cal na já incipiente recuperação da economia”, afirmam. Para este ano, devido à elevada incerteza, parece difícil a reversão do cenário, pelo menos até outubro. Talvez seja hora de pensar em 2019″, fianalizam.

Leia a íntegra do artigo. (247)

Deixe seu comentário