Presidente do PT se reúne com governador de Pernambuco para discutir aliança

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), se reuniu ontem (5), em Brasília, com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), para discutir o cenário eleitoral no estado e a viabilidade de uma aliança entre as duas legendas. Candidato à reeleição, Paulo Câmara quer o PT ao seu lado para manter o PSB à frente do Palácio do Campo das Princesas pelo quarto mandato consecutivo.

Eleito em 2014, Câmara entrou na política pelas mãos do ex-governador Eduardo Campos – morto em um acidente aéreo durante a campanha, quando era candidato à Presidência. De perfil técnico, ele foi secretário de três governos do PSB em Pernambuco e, atualmente, conta com uma vasta aliança, que reúne cerca de 16 partidos na Frente Popular de Pernambuco.

A conversa entre Gleisi e Câmara faz parte da estratégia traçada pelo PT de se unir ao PSB em pelo menos 10 estados, garantindo palanques estaduais para a candidatura do partido à Presidência da República. Para isso, os dois partidos seguem buscando um entendimento nacional. As alianças consideradas mais importantes são em Pernambuco e Minas Gerais, onde o governador Fernando Pimentel (PT) também tentará se reeleger.

Em Pernambuco, a dificuldade entre os petistas é a pré-candidatura da vereadora Marília Arraes ao governo do estado, que conta com larga simpatia da militância e é contrária ao acerto com Câmara. Neta do ex-governador Miguel Arraes e prima de Eduardo Campos, Marília tem se apresentado com alto índice de intenções de votos e poderia levar a disputa para o 2º turno.

O grupo tático eleitoral do PT já recomendou a aliança com Paulo Câmara e está marcada para o próximo dia 10 de junho a convenção estadual da legenda, onde 300 filiados irão decidir qual será o destino do partido no estado. O assunto está no radar das reuniões nacionais do comando petista, que tem mantido diálogo com a ala da legenda que defende candidatura própria.

A expectativa de Gleisi e da direção nacional petista é convencer esse grupo sobre a importância da aliança com o PSB para o cenário nacional, além da união entre as duas legendas em outros estados. Nessa coligação, o senador Humberto Costa (PT) disputaria a reeleição e a segunda vaga ficaria com o deputado Jarbas Vasconcelos (MDB), que rompeu com a direção nacional do partido por sua posição crítica ao governo de Michel Temer.

Apesar da reunião ter ocorrido, as lideranças ainda não se manifestaram e nem deram detalhes do diálogo até está quarta-feira, dia 6, segundo apurou o Blog do Robério Sá.

Monteiro e Mendonça na oposição

Do lado da oposição em Pernambuco, o senador Armando Monteiro Neto (PTB) é o candidato ao governo do estado numa coligação com o DEM e o PSDB, além do PRB, Podemos, PPS, PRTB e PV. Ex-ministro do governo Dilma, Armando Monteiro é empresário do setor sucroalcooleiro e segue na política como integrante de uma família tradicional pernambucana.

Na chapa “Pernambuco quer mudar” , que conta com o apoio do senador Fernando Bezerra Coelho, do MDB, o ex-ministro da Educação do governo Temer, Mendonça Filho (DEM), é o candidato a uma cadeira do Senado. A segunda vaga ainda será decidida e os nomes mais cotados são dos deputados federais Silvio Costa (Avante) e Bruno Araújo (PSDB), também ex-ministro de Temer, e do deputado estadual André Ferreira (PS). (JB)

Deixe seu comentário