Principais nomes das oposições para a corrida sucessória estadual em Pernambuco

O PSB de Miguel Arraes, Eduardo Campos e Paulo Câmara, vem de quatro vitórias seguidas em eleições para o governo do estado. Três delas não foi nada fácil, a primeira com Eduardo Campos em 2006, quando o mesmo disputou uma vaga no segundo turno com Humberto Costa e as duas de Paulo Câmara (2014/2018). Para 2022 o partido tem o ex-prefeito do Recife, Geraldo Julio como sua opção de continuidade.

Enquanto isso a oposição que perdeu duas eleições com o ex-senador Armando Monteiro, vê agora a possibilidade de em 2022 por um fim aos governos do PSB. Quatro nomes são postos como potenciais pré-candidatos ao Governo de Pernambuco, sendo três prefeitos reeleitos em 2020 e a deputada com a maior votação entre os pernambucanos na câmara federal e herdeira política do ex-governador Miguel Arraes.

A deputada federal Marilia Arraes (PT), entra na disputa com algumas vantagens. Primeiro por ser neta de Miguel Arraes; segundo por que vai contar com o apoio de Lula e por último por ter saído de uma disputa pela prefeitura do Recife. Resta saber se Marilia vai ter habilidade para conduzir um processo eleitoral, atraindo para si apoios de partidos políticos considerados históricos inimigos de sua legenda, a exemplo do PSDB e do DEM.

A prefeita de Caruaru Raquel Lyra (PSDB), entra na disputa por ser um nome leve e filha de um ex-governador. Prefeita de um dos principais municípios do estado, Raquel vem se destacando com uma administração inovadora. Seu nome é visto com bons olhos por todos os líderes das oposições, inclusive pela deputada Marília Arraes. A prefeita de Caruaru Raquel Lyra, tem grandes possibilidades de liderar as oposições nas eleições de 2022.

Anderson Ferreira (PL), foi reeleito em 2020 prefeito do segundo maior colégio eleitoral do Estado. Por ser prefeito de Jaboatão dos Guararapes, o mesmo é visto como potencial pré-candidato a corrida sucessória estadual. No entanto, o nome do mesmo não ultrapassa as fronteiras de sua cidade, por essa razão precisaria de alguém para apadrinhar uma possível candidatura sua ao governo do Estado de Pernambuco.

Miguel Coelho (MDB), foi reeleito prefeito de Petrolina em 2020 com expressiva votação. O mesmo é filho do líder de Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho, por isso tem conseguido gigantescos recursos para seu município. É possível que o oposto aconteça na família Coelho em 2022, quando a criatura no caso o prefeito Miguel, possa usar seu prestígio em favor do criador, o Senador Fernando e tentar garantir sua reeleição. (Didi Galvão)

Deixe seu comentário