A possibilidade do Nova Semente acabar preocupa famílias de Petrolina

A possibilidade do projeto Nova Semente acabar assusta pais e mães beneficiados pela política pública. Em ano eleitoral, não sobram críticos aos trabalhos das sementeiras.O deputado Odacy Amorim é um dos opositores ao projeto. Em direção contrária, os beneficiados do Nova Semente se mostram satisfeitos.

 ” Só em pensar em acabar, dá medo. Agora eu posso trabalhar à vontade, sem preocupação. Antes, quando não deixava os meus filhos com parentes, precisava faltar ao trabalho. E, além do mais, as crianças adoram o espaço. Ficam tristes quando não vão”,   afirma Aleandra Barbosa, cozinheira  que tem dois filhos em uma das 58 unidades abertas até agora.

Criado em 2010, o projeto que atende hoje 3600 crianças das áreas urbana e rural  de Petrolina atrai fãs e críticos vorazes. O  prefeiturável do Partido dos Trabalhadores, Odacy Amorim, teceu duras críticas ao Nova Semente durante entrevista à rádio Ponte FM.

 Recentemente, Gilva Brito, diretor de assuntos jurídicos do Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina, disse que os espaços servem apenas para “guardar” as crianças.A direção do Programa rebate as críticas, e diz a meta é chegar  a 100 unidades até o final do ano. Faltam cerca de 40.

Mônica Couto, coordenadora do Projeto, garante que além de receber as meninas e meninos durante o período de trabalho de seus país,  nas creches  os atendidos dão os primeiros passos pedagógicos. “Passando pelo Nova Semente, as crianças vão chegar à escolas com um nível sociocognitivo avançado, se comparado com outras crianças que não tiveram acesso a creche”, revela.

O Ministério Público abriu investigação para apurar a legalidade jurídica do Nova Semente. O inquérito  deve durar dois meses. Enquanto isso, as famílias comemoram a segurança trazida pela iniciativa, e os críticos continuam a desce o pau no Nova Semente.

Blog do Banana

Deixe seu comentário