Em Petrolina aproximadamente 300 crianças são atendidas pelo Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos

imageElas têm entre seis e quatorze anos e já passaram ou vivem alguma situação de risco social, seja de exploração do trabalho infantil, maus tratos e abusos sexuais. São crianças e jovens que frequentam os quatorze núcleos espalhados na sede e no interior de Petrolina, que beneficiam aproximadamente 300 crianças e adolescentes encaminhados por órgãos como Conselho Tutelar, Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e Centro de Referencia Especializado de Assistência Social (Creas), Ministério do Trabalho (MTE) e Vara da Infância e Juventude.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos se organiza através de projetos específicos, que são desenvolvidos de acordo com a faixa etária e o interesse dos usuários que deles participam. Esses projetos, realizados em turnos manhã e tarde, são oferecidos como atividades complementares na formação e educação das crianças e adolescentes, no contraturno escolar.

Em Petrolina, o serviço é realizado em 14 grupos, sendo 09 na zona urbana, nos bairros do João de Deus, São Gonçalo, Dom Avelar, Fernando Idalino e 05 na zona rural, nos núcleos de moradia das áreas de agricultura irrigada, no N 08, N 07, N10 e Serrote do Urubu. Estão previstos a criação de mais dois , nas comunidades de Pedrinhas e N 01. Fazem parte dos grupos de trabalho, assistentes sociais, educadores sociais e facilitadores.

As intervenções são pautadas em experiências lúdicas, culturais e esportivas como formas de expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social. Inclui crianças e adolescentes com deficiência, retirados do trabalho infantil (PETI) ou submetidos a outras violações, cujas atividades contribuem para re-significar vivências de isolamento e de violação de direitos, bem como propiciar experiências favorecedoras do desenvolvimento de sociabilidades e na prevenção de situações de risco social. “As pessoas que desenvolvem esse trabalho têm como prioridade a prevenção e reincidência do trabalho infantil.

As atividades socioeducativas que realizamos, visam prevenir situações de violação de direitos, na medida em que fortalece os vínculos e estimula a convivência familiar e comunitária”, explica diretora de Proteção Social Especial da prefeitura de Petrolina, Rozinete Coelho.

O acesso ao SCFV se dá sempre por intermédio do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família, PAIF que poderá receber demanda espontânea, realizar busca ativa, receber encaminhamento da rede socioassistencial, encaminhamento das demais políticas públicas e de órgãos do Sistema de Garantia de Direitos. Entretanto, no caso de crianças e adolescentes, retirados do trabalho infantil, o acesso se dará por encaminhamento da Proteção Social Básica e Especial.

Ascom PMP

Blog do Banana

Deixe seu comentário