Lideranças sindicais cogitam greve geral nas obras da Copa-14

A CUT (Central Única dos Trabalhadores), a Força Sindical e a UGT (União Geral dos Trabalhadores) planejam mobilizar os sindicatos das 12 sedes da Copa-14 para reivindicar uma revisão nos direitos dos trabalhadores envolvidos nas obras do Mundial.

O plano inclui, caso não se consiga negociar com as construtoras, uma paralisação geral nas obras da Copa, inclusive nas dos estádios.

“As negociações entre as empresas e os trabalhadores acontecem todo ano, em cada cidade. O que nós queremos é fazer um acordo nacional, unificando os salários dos trabalhadores. Porque, no Sudeste, o trabalhador às vezes ganha 50% a mais do que em outros lugares, como Cuiabá [Mato Grosso]”, argumenta Claudio da Silva Gomes, responsável pelo setor de construção civil da CUT.

Na segunda-feira, representantes sindicais das obras ligadas à Copa têm encontro com Gilberto de Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, e membros do Ministério do Trabalho.

No encontro, serão apresentadas as reivindicações ao governo federal, que, na opinião das forças sindicais, deve participar das decisões.

A justificativa é que há dinheiro público em todos os estádios do Mundial –empréstimo do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

A intenção das lideranças sindicais é iniciar os diálogos com as construtoras envolvidas o mais rápido possível, para chegar a um acordo até maio. Caso contrário, a paralisação geral deve ocorrer.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe seu comentário