Multidão comparece ao sepultamento do Pastor Jean, conhecido como Bilula das Palhinhas

A rua Primavera nas Palhinhas deste ontem à noite esteve tomada de gente. Eram amigos, parentes, conhecidos, irmãos em Cristo, filhos na fé, companheiros pastores, admiradores. Todos com um único propósito: demonstrar o carinho que tinham pelo Pastor Jean Carlos.

Apesar da insistência de alguns, a irmã Brígida que é sua mãe e demais familiares decidiram que o velório seria ali mesmo, onde ele nasceu e se criou.

Pastor Jean era funcionário licenciado da Prefeitura Municipal de Petrolina, pois havia decidido deixar–se gastar pela obra de Deus no interior do Piaui, mais precisamente em Campo Largo onde atuou por 10 anos e por último Garcia, ambas na cidade de Dom Inocêncio, onde já trabalhava a 7 anos.

Ele deixou viuva a irmã Ana e orfãos 2 filhos: Madalena de 12 anos e Samuel com 10 anos e estava com o pai no momento do acidente.

 O culto fúnebre foi realizado com o cântico de alguns hinos e a palavra do Pastores Cláudio (Presidente da Ordem dos Ministros Batistas Nacional), Rubens (Pastor da Batista Missionaria em Salgueiro e amigo de infância de Jean), Ideval (Pastor da Batista Missionária na Cohab 4 e também amigo de infância de Jean) e Manoel Moreira (1º pastor de Jean e considerado seu pai na fé). Uma de suas irmãs também deixou sua palavra e ainda 2 irmãos lá de Garcia, onde trabalhava Jean fizeram questão de externar o que estava em seus corações.

O destaque de todos os momentos foi a esperança percebida em todos os seus irmãos na fé. Não se percebeu desespero. Alguns dos pastores que usaram a palavra chegaram a falar em alegria. Não pela morte do Pastor Jean, mas sim pela maneira como Deus trabalhou na vida dele e por tudo que ele fez no cumprimento de sua missão missionária. Para eles o que aconteceu foi determinação de Deus. Alguém citou as palavras bíblicas de Jó: “O Senhor me deu o Senhor tomou, bendito seja o nome do Senhor”.

O Pastor Jean era crente a 18 anos e a 17 realizava o trabalho missionário no estado do Piaui. Lá ele foi um desbravador. Foi para onde ninguem se interessou em ir. Foi a um lugar onde não tinha água nem energia eletríca. E lá lançou a boa semente da palavra de Deus.

 Pastor Jean se foi, mas fica o seu exemplo de fé, fica o o seu legado de compromisso com a Palavra de Deus e com a sua obra.

 Foi dito com clareza que o Pastor Jean não precisa mais de oração, não precisa mais de ajuda. Quem precisa agora de apoio, de orações, de alento é sua família, especialmente sua mãe que já está com 80 anos de idade, e sua esposa e filhos.

 O sepultamento aconteceu as 11h30min no Cemitério Campo das Flores acompanhado do hino “Porque ele vive” e em seguida uma salva de palmas em sua homenagem.

Fonte: Blog do Francisco Evangelista

Deixe seu comentário