Náutico e Santa empatam por 2×2 nos Aflitos (Em clima de erros da arbitragem)

O árbitro Emerson Sobral cometeu dois erros capitais – um para cada lado – e manchou o Clássico das Emoções de neste sábado (4), que terminou empatado por 2×2, no Estádio dos Aflitos, pela sétima rodada do Campeonato Pernambucano Coca-Cola. Os gols do Náutico foram marcados por Cascata e Souza, enquanto Flávio Recife e Elicarlos (contra) descontaram para o Santa Cruz. Ao fim da partida, revolta nos dois times com a atuação da arbitragem.

Com o empate, o Náutico assumiu provisoriamente a liderança, com 16 pontos. Já o Santa Cruz subiu para a quarta colocação, com 10. As outras cinco partidas da sétima rodada serão disputadas neste domingo (5).

A história do primeiro tempo pode ser contada em três partes. Na primeira, que se estende até os 12 minutos, as duas equipes confundiram vontade com antijogo e abusaram das faltas. Neste breve espaço de tempo, o árbitro Emerson Sobral marcou 14 infrações e distribuiu dois cartões amarelos, uma para cada lado. Neste momento, o Náutico era melhor e dominava todas as ações ofensivas.

Logo aos 2 minutos, o zagueiro Diego Bispo finalizou com perigo de dentro da área, aproveitando cobrança de escanteio da direita. A bola parou no goleiro Tiago Cardoso. O Náutico seguia dono absoluto da partida. Aos 8 minutos, o meia Eduardo Ramos recebeu na intermediária do Santa Cruz e arrancou, deixando a marcação de Anderson Pedra para trás. Na entrada da pequena área, o camisa 10 alvirrubro bateu cruzado e a bola passou à direita da meta coral.

Até que, aos 12 minutos, tem início a segunda parte da história do primeiro tempo. O Náutico vinha para o ataque: Cascata tocou na entrada da área para Souza e o volante foi derrubado dentro da meia-lua da área. Em vez de falta, Emerson Sobral marcou erroneamente impedimento do ataque alvirrubro, pela sinalização do assistente Ubirajara Ferraz.

Os jogadores timbus foram reclamar com o auxiliar na lateral. O Santa Cruz cobrou a falta rapidamente: Tiago Cardoso tocou para Carlinhos Bala, que lançou de forma açucarada para Flávio Recife invadir a área e tocar sobre o goleiro Gideão, abrindo o placar.

A reclamação com o árbitro e o gol sofrido deixaram o Náutico desestabilizado. Foi aí que apareceram alguns espaços para o ataque do Santa, principalmente em chutes de longa distância. O primeiro a arriscar de longe foi o volante Leo, obrigando o goleiro Gideão a fazer uma boa defesa.

 Aos 23 minutos, tem início a terceira parte da história do primeiro tempo. O Náutico voltava a se encontrar na partida, quando o meia Cascata recebeu bom passe de Siloé, se livrou da marcação e soltou um petardo cruzado da entrada da área. A bola ainda bateu na trave esquerda de Tiago Cardoso antes de estufar as redes.

E Cascata teve, ao menos, duas chances claras de virar a partida. A primeira foi aos 27 minutos, quando o lateral-direito do Santa Eduardo Arroz cortou mal e a bola sobrou dentro da área para o camisa 9 do Náutico. De primeira, Cascata chutou por cima da meta tricolor. A outra aconteceu aos 31 minutos, quando recebeu cruzamento de Siloé e errou o chute. A bola chegou mansa para as mãos de Tiago Cardoso.

O segundo tempo começou bem mais equilibrado. Até que aos 14 minutos, em um contra-ataque tricolor, a bola foi lançada para o meia Luciano Henrique, que havia entrado no intervalo. Ele se livrou da marcação de Souza e cruzou rasteiro para Carlinhos Bala. O volante Elicarlos tentou cortar e entrou com bola e tudo, marcando contra e recolocando o Santa Cruz em vantagem no placar.

Daí em diante, o Náutico partiu para cima, enquanto o Santa só saía em contra-ataques. A vitória coral parecia desenhada, quando o árbitro viu pênalti do zagueiro Leandro Souza sobre o volante Souza, aos 47 minutos do segundo tempo. O próprio Souza bateu deslocando o goleiro Tiago Cardoso para empatar e colocar fim ao Clássico das Emoções.

Fonte: JC Online

Deixe seu comentário