Sai primeiro manifesto contra a privatização da Compesa

À véspera da audiência pública para debater a Parceria Público Privada (PPP) da Compesa, o PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado) repudia, através de uma nota, repudiando a decisão do Governo Eduardo Campos (PSB). Para o partido, a iniciativa significa uma verdadeira traição aos trabalhadores, pois em seu discurso eleitoral de 2006, Eduardo estava contrário à privatização da Celpe feita no período de Jarbas Vasconcelos.

Veja abaixo a nota do PSTU:

ABAIXO A PRIVATIZAÇÃO DA COMPESA!

As Privatizações e o Programa Neoliberal de Dilma e Eduardo

Quando os trabalhadores brasileiros e pernambucanos assistem as notícias sobre as privatizações dos aeroportos e da Compesa a primeira coisa que vem em mente é a forte traição dos responsáveis por essa política. Dilma Roussef (PT) e Eduardo Campos (PSB) estão fazendo o que muito criticavam no período das eleições.

Por isso, é preciso lembrar: Eduardo Campos se elegeu em 2006 com um discurso contrário à privatização da Celpe feita no período de Jarbas Vasconcelos. A presidente Dilma, seguiu Lula, afirmando ser contrária às privatizações de FHC. Infelizmente, como todos podem ver, para eles, a defesa do patrimônio público não passava de palavras eleitoreiras, usadas para enganar o povo.

A questão é que Dilma e Eduardo são tão ligados aos interesses dos ricos, que estão seguindo o mesmo programa deles. Por isso, não se vê diferenças entre eles e os governos da chamada direita. Da mesma forma, eles seguem com ações que não dão prioridade à prestação de serviços públicos que atendam às necessidades da população.

Antes, esses governos traidores devem cuidar das necessidades dos empresários, patrões e multinacionais, que são e sempre estão loucos por lucros. Para perceber tudo isso, não precisa ir tão longe. Basta ver ao que acontece aqui em Suape.

O povo trabalhador brasileiro e pernambucano, em particular, é duplamente roubado. Primeiro porque as riquezas produzidas em Suape são enviadas para fora do país, para salvar as matrizes, ou seja, as mães das multinacionais que estão em crise nos EUA e na Europa.

Em segundo lugar, porque o patrimônio público é entregue para as empresas privadas. Da mesma forma que as multinacionais recebem financiamentos diretos e indiretos, isenções fiscais e uma penca de favores do Estado para se instalarem em Pernambuco, as privatizações serão financiadas por dinheiro público!

Fonte: Blog do Magno Martins

Blog do Banana

Deixe seu comentário