Férias das crianças: Cuidado com os acidentes domésticos

Em geral, no período das férias, as crianças tendem a ficar mais agitadas e cheias de energia, devido ao maior tempo livre em casa. Por isso, a atenção dos pais, responsáveis e cuidadores deve ser reforçada. Prevenir situações de perigo (como queimaduras, quedas, fraturas, asfixias e afogamentos) é garantir a segurança e a diversão.

É claro que não dá para evitar todos os incidentes, mas há maneiras e atitudes que ajudam na prevenção dessas eventualidades, como adotar protetores de tomadas para evitar choques elétricos e manter ocultos os fios dos aparelhos eletrodomésticos.

Janelas devem sempre estar protegidas por grades ou telas, sem móveis próximos, para evitar as quedas. A cozinha é o lugar mais perigoso da casa, por isso, a criançada deve manter distância do fogão e do forno. Os cabos das panelas devem estar virados para dentro e o gás desligado quando não estiver em uso.

Os armários têm que ser fixados à parede e os objetos cortantes, como os talheres, devem ficar fora do alcance das crianças. No banheiro, é aconselhável que o piso seja antiderrapante para evitar queda, que o vaso sanitário fique com a tampa abaixada e os produtos de higiene/limpeza em lugares altos. “É importante lembrar-se de nunca usar embalagens, como garrafas de refrigerante, para armazenar produtos não alimentícios”, alerta a diretora de Atenção à Saúde do Hospital Dom Malan e pediatra, Tatiana Cerqueira.

O banho de chuva, comum no verão, também deve ser evitado, pois apesar de ser uma das atividades mais divertidas e irresistíveis que existe para qualquer criança, muitas vezes representa perigo. Além dos raios, é preciso estar atento ao poder das rajadas de vento, inundações e doenças ocasionadas pelas águas contaminadas.

Há, ainda, muitas outras pequenas atitudes que previnem acidentes, como adotar calçados anatômicos com solado antiderrapante, verificar os brinquedos para certificar-se de que não há partes que podem ser engolidas e retirar os tapetes e outros objetos que provocaram escorregões ou tropeções. “Além disso, é recomendável estabelecer um bom diálogo com as crianças, buscando explicar os perigos de algumas situações”, orienta.

Se o acidente não puder ser evitado, saiba o que fazer em situação de emergência com as dicas do Hospital Dom Malan.

Anna Monteiro

Assessoria de comunicação

Deixe seu comentário