Incoerências de Barbosa causam mal-estar no STF

imageAo antecipar suas férias e deixar em aberto dois mandados de execução de penas da AP 470, Joaquim Barbosa evidenciou sua falta de critério objetivo no caso. É o que teriam dito três ministros do Supremo Tribunal Federal em anonimato à Folha de S. Paulo.

Nesta segunda-feira, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, determinou o fim do julgamento para deputado João Paulo Cunha (PT-SP) e a prisão imediata pelos crimes de corrupção e peculato.

No entanto, o advogado Alberto Zacharias Toron afirmou que seu cliente não se apresentou à Polícia Federal porque ainda não foi expedida ordem de prisão por parte do STF.

Além disso, Roberto Jefferson, aquele que foi condenado sem direito a embargos e confessou ter administrado um caixa dois de R$ 4 milhões, ainda goza da liberdade. Por questão de saúde, ele pleita o direito de cumprir prisão em regime domiciliar.

Para um dos ministros ouvidos pelo jornal, apenas a exposição midiática do caso justifica a demora para a expedição de mandados de prisão, reforçando a tese de que Barbosa tem agido mais como candidato do que como juiz.

Outro ponto questionado por ministros foi o show aéreo custeado com recursos públicos para levar presos num avião da Polícia Federal a Brasília no dia 15 de novembro, para que, depois, eles retornassem a seus estados de origem.

Joaquim Barbosa tem até março de 2014 para definir se será ou não candidato à presidência da República, em 2014. Como a lei dá esse privilégio aos juízes, o mistério será mantido até lá.

Como, no quadro atual, ele parece ser o único nome capaz de garantir um segundo turno, o assédio tem sido pesadíssimo. E é cada vez maior a convicção de que ele age como candidato – não como juiz. (Brasil247)

Blog do Banana

Deixe seu comentário